Análise Comparativa do Teor de Licopeno de Diferentes Produtos Alimentícios à Base de Tomate na Atividade Celular de Linhas Celulares de Câncer de Próstata

INTRODUÇÃO

O crescimento maligno da próstata (PCa) é o câncer mais comum e o quinto maior motivo para a morte em homens, representando 15% dos tumores absolutos analisados ​​em homens e 307.000 mortes, correspondendo a 6,6% da mortalidade masculina total. Muitos fatores podem contribuir para o aumento do risco de desenvolvimento do PCa, como dieta inadequada, estilo de vida, fatores ambientais e genéticos. Como fator alimentar, muitos estudos têm relacionado a ingestão de verduras e legumes com a menor incidência de PCa, devido a presença do licopeno.

Licopeno é um carotenoide, comumente encontrado no tomate, de caráter lipofílico, ou seja, a interação entre licopeno e gordura, aumenta sua biodisponibilidade. Portanto, os processos de cozimento utilizando óleos na preparação de molhos e pastas de tomate são muito importantes. Na maioria das fontes alimentares, o licopeno existe predominantemente na conformação all-trans. Em contraste, acredita-se que o isômero cis ofereça melhor biodisponibilidade e possa ser mais facilmente absorvido. Para possuir esta configuração, o licopeno precisa ser solubilizado em água morna, para que haja o colapso das paredes celulares e enfraqueça a conexão entre o licopeno e a matriz tecidual.

Assim, estudos sugerem que a biodisponibilidade do licopeno é mais substancial na pasta de tomate do que nos tomates frescos, além disso, o licopeno foi encontrado em maiores quantidades em suco de tomate processado aquecido do que no suco que não foi processado. Por isso, fatores que afetam a absorção dos carotenoides devem ser levados em consideração.

Dois estudos de pré-prostatectomia de curto prazo usando suplementação com licopeno ou consumo de molho de tomate descreveram o efeito do licopeno no tecido da próstata associado a propriedades antioxidantes e potencialmente anticancerígenas. Em outros dois estudos, maiores e mais abrangentes, a alta ingestão de licopeno foi relacionada a redução de 26% do risco e a alta ingestão de produtos derivados do tomate foi relacionada a redução dos riscos de câncer em 35% e o câncer de próstata em 53%.

Além da atividade antioxidante, o licopeno desempenha outras funções muito importantes no corpo humano, incluindo a inibição antiproliferativa do fator de crescimento semelhante à insulina-1, a indução da diferenciação celular e a apoptose, a conexina e o aumento das comunicações intercelulares por junções comunicantes.

Estudos in vitro mostraram que ele interrompe o ciclo celular em várias linhagens de células PCa. O atraso na progressão induzido pelo licopeno através das fases G1 e S também foi observado em linhas celulares de cancro humano derivadas da próstata. O consumo de licopeno e tomate também pode modificar o metabolismo da testosterona e as concentrações séricas, e pode afetar a expressão gênica em células humanas de câncer de próstata.

No presente estudo, avaliou-se a influência do teor de licopeno de diferentes produtos alimentícios à base de tomate (extrato, pasta, molho e ketchup) na proliferação celular, ciclo celular e taxa de apoptose de linhagens celulares de câncer de próstata humano (DU-145 e PC-3).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O teor médio de licopeno foi 96,65% em molho de tomate, 96,48% em ketchup, 95,12% em extrato de tomate e 97,78% em extrato de tomate. No entanto, o conteúdo de licopeno do molho de tomate não foi estatisticamente diferente do de ketchup e extrato de tomate. O molho de tomate rico em Cis-licopeno tem maior biodisponibilidade do que o molho de tomate rico em trans-licopeno em indivíduos adultos saudáveis, pois o all-trans-licopeno, uma molécula linear longa, é  menos solúvel em micelas de ácidos biliares, em contrapartida, os isômeros cis do licopeno podem se mover mais eficientemente através das membranas plasmáticas e incorporar preferencialmente em quilomícrons.

O estudo forneceu evidências de que o licopeno em produtos de tomate pode inibir o crescimento de células PCa humanas. A próstata humana contém licopeno e outros carotenóides da dieta, apoiando a hipótese de que os carotenóides derivados do tomate podem afetar diretamente a próstata.

Quanto a proliferação das células, células tratadas com licopeno tiveram uma proliferação menor do que as células não tratadas. observamos uma diminuição na viabilidade celular em ambas as linhas celulares de câncer após o tratamento com todos os extratos de produtos alimentícios à base de tomate. Mesmo após apenas 24 horas de tratamento, o licopeno promoveu uma inibição média de 35% para as células tratadas com licopeno (DU-145), que aumentou para 55% após 96 horas de tratamento para todos os produtos alimentícios à base de tomate. Não foram observadas diferenças estatisticamente significativas entre o efeito do teor de licopeno dos produtos alimentares à base de tomate após 96 h de tratamento em ambas as linhas celulares. Verificou-se que o efeito do licopeno era dependente do tempo, porque este efeito requeria um tempo de incubação relativamente longo para conseguir uma ação melhorada.

 

O estudo realizou o tratamento de células com licopeno por 96 horas e quantificou a porcentagem de células nas diferentes fases do ciclo celular para elucidar o mecanismo pelo qual o licopeno regulava o crescimento celular. Foi observado que houve uma redução significativa na porcentagem de células do determinadas fases do ciclo celular. Em ambas as linhagens celulares, a análise do ciclo celular mostrou que o licopeno reduziu a porcentagem de células nas fases G 0 / G 1 e G 2 / M após 96 h de tratamento nas linhagens de CaP metastático, utilizando licopeno extraído da pasta de tomate e extrato de tomate.

Considerando que o licopeno extraído de todos os produtos alimentícios à base de tomate interferiu no ciclo celular e na viabilidade celular, foi importante investigar se esses produtos alteraram a apoptose durante o tratamento in vitro. As células DU-145 e PC-3 apresentaram um aumento significativo na apoptose, sugerindo que outro mecanismo pode estar envolvido. Um estudo realizado por Renju et al. demonstrou a capacidade antiproliferativa do licopeno e sua capacidade de indução apoptótica. Já foi elucidado que a apoptose pode modular o fenótipo maligno, e estudos descobriram que uma alta recorrência de apoptose foi observada em tumores inesperadamente recidivantes e em tumores tratados com agentes anticancerígenos citotóxicos. Por isso, muitos estudos foram conduzidos para demonstrar o impacto dos produtos à base de tomate na indução da morte celular programada.

Nesse estudo, foi avaliado o efeito do licopeno de todos os produtos à base de tomate após 96 h de incubação em diferentes estágios do processo de morte celular das células DU-145 e PC-3. Aumento nas células apoptóticas precoces e tardias foi observado nas células DU-145 e PC-3 tratadas com extratos de todos os produtos à base de tomate e em diferentes concentrações de licopeno, mas o efeito mais notável foi produzido pelo extrato de tomate.

CONCLUSÃO

O estudo contribuiu para uma melhor compreensão do papel potencial dos produtos à base de tomate, que são uma fonte prontamente disponível de licopeno. O licopeno possui a capacidade antiproliferativa, inibindo a proliferação das células em determinadas fases do ciclo celular, além de induzir a apoptose nas células cancerígenas prostáticas. Dessa forma, o licopeno de tomate pode constituir a base de novas estratégias terapêuticas para o tratamento da malignidade da próstata.


Produto Humalin

Desenvolvida para Adultos 50+, potente antioxidante, fórmula especial de Vitaminas e Minerais, como Vitamina A, Luteína e Zeaxantina para a saúde ocular e com Licopeno.

Comments are closed.